Mais Obras e Asfalto

27 de outubro de 2015

Crise no PMDB maranhense: João Alberto acusa Ricardo Murad de falsidade ideológica

O presidente estadual do PMDB, senador João Alberto de Sousa, ao anunciar a rejeição do pedido de inscrição da chapa comandada pela deputada Andrea Murad, acusou o ex-secretário de Saúde e pai da parlamentar, Ricardo Murad, de falsidade ideológica no processo de preenchimento da Declaração de Consentimento de Candidato, instrumento pelo qual o interessado autoriza a inclusão do seu nome na chapa "Renovar para Crescer"; segundo Alberto, não foi pedido exame grafotécnico por parte da Polícia Federal em decorrência da fraude ser grotesca; o parlamentar também denunciou que três nomes da chapa de Andréa Murad não são sequer filiados ao partido. (247)

Blog do Jorge Vieira - O presidente estadual do PMDB, senador João Alberto de Sousa, ao anunciar, nesta manhã de terça-feira (27), a rejeição do pedido de inscrição da chapa comandada pela deputada Andrea Murad, acusou o ex-secretário de Saúde e pai da parlamentar, Ricardo Murad, de falsidade ideológica no processo de preenchimento da Declaração de Consentimento de Candidato, instrumento pelo qual o interessado autoriza a inclusão do seu nome na chapa “Renovar para Crescer”.
João Alberto apresentou aos jornalistas que participaram da coletiva, na sede do Diretório Estadual do PMDB, vária declarações de consentimento assinadas com a mesma caligrafia, o que, em seu entendimento, caracterizaria fraude. O senador avisou que não pediu exame grafotécnico por arte da Polícia Federal em decorrência da fraude ser grotesca. Além de fraude nas assinaturas, o dirigente peemdebista denunciou que três nomes que constam na chapa de Andréa Murad não são sequer filiados ao partido.
O presidente em exercício do PMDB, ex-deputado Remi Ribeiro, afirmou que o pedido de inscrição da chapa foi rejeitado em função da mesma não cumprir o que determina o estatuto da legenda e em função da deputada está totalmente inadimplente com suas obrigações partidárias. Remi explicou ainda que das 79 indicações apresentadas 57 são de Coroatá, o que contemplaria apenas oito dos 2017 municípios, ou seja, a chapa organizada por Ricardo Murad não possui representatividade e estaria toda irregular.
Para João Alberto a atitude de Ricardo Murad está fazendo o partido se revoltar contra ele, pois “está tentando forçar uma barra que ele que sabe que conosco não vai dar”. Alberto aproveitou para mandar recado: “Se o lado de lá (Ricardo) é duro, nós seremos mais duros ainda”, avisou o senador que tem apelido de “Carcará”, antes de afirmar que a convenção da próxima sexta-feira (30) está confirmada. “Sinceramente eu gostaria que houvesse disputa, até porque a grande maioria do partido está com sede nele (Ricardo)”, observou.
O senador negou divisão no PMDB e afirmou que sua chapa conta com o apoio de 90 por dos diretórios municipais, enquanto que seu adversário, além de conta praticamente com filiados de Coroatá, ainda possui indícios de fraude nas assinaturas e gente que nem filiado é. Para finalizar, o senador, numa referência d Murad, adiantou: “Não vamos dar legenda para que o partido não quer”.

Nenhum comentário: