Mais Obras e Asfalto

17 de junho de 2015

Deputado defensor da ditadura militar preside sessão na Câmara fardado

Ranier Bragon - Apesar de não ser integrante da cúpula da instituição, Capitão Augusto/foto presidiu a sessão por quase duas horas, devidamente fardado.Desde que assumiu o mandato ele dispensa o tradicional terno e gravata dos demais 512 colegas e usa o traje recheado de condecorações e insígnias da PM paulista.
O comando de Capitão Augusto ocorreu na parte de debates da sessão que antecede o período de votações. A função é desempenhada mediante convite dos integrantes da cúpula da Câmara e é disputada pelos deputados do chamado "baixo clero", o grupo de pouca expressão política nacional.
Antes havia presidido a sessão o deputado Delegado Edson Moreira (PTN-MG), esse da Polícia Civil.
Capitão Augusto repassou a presidência da sessão a Eduardo Cunha (PMDB-RJ) às 17h22 com um efusivo aperto de mão.
Ao descer para o plenário, a Folha conversou com ele sobre o simbolismo de seu breve comando de uma sessão da Câmara, mesmo local fechado 47 anos atrás pelo Ato Institucional número 5, editado no período mais severo da ditadura militar.
"O que para vocês é golpe, para nós é a revolução democrática de 64. Nós salvamos o Brasil do comunismo", afirma Capitão Augusto. "Não houve ditadura no Brasil, o que houve foi um regime militar".

Nenhum comentário: