29 de novembro de 2013

Construção Civil ameaçada com o alto preço do cimento em São Mateus.

As tradicionais reformas residenciais do fim de ano está ameaçada pelo alto preço do cimento na cidade.

O alto preço do cimento que vem sendo cobrado em São Mateus do Maranhão devido à escassez do produto no mercado e à alta procura está provocando prejuízos para o setor da construção civil na cidade. O saco de cimento está sendo comercializado por até R$ 40,00, reajuste considerado abusivo, tanto para consumidores e trabalhadores da construção civil, já que o mesmo produto no mês passado era vendido pelo valor que variava de R$ 20,00 a R$ 25,00 no mercado local.
Entrei em contato com um comerciante do ramo da construção civil da cidade, na conversa ele falou que não há explicações plausíveis para o aumento do preço do cimento em tão pouco tempo. Aproveitei e liguei para três conhecidos pedreiros que de forma unânime afirmaram não haver cimento no mercado e os distribuidores que têm em estoque estão cobrando um preço bastante salgado, o aumento abusivo no valor do saco de cimento pode por exemplo impedir o embelezamento de residências, haja vista que nas proximidades do final de ano, os moradores fazem as tradicionais reformas para tornar suas residências mais confortáveis e assim receberem seus entes que frequentarão a cidade nas festividades de final de ano.
Como observado, foi um aumento de praticamente 50% no valor do produto, algo inesplicavel, pois o preço do cimento foi mantido pelas fábricas, ou seja, o aumento foi imposto pelos revendedores. Em uma rápida pesquisa feita por mim pela internet, na cidade de Sobral, no Ceará, uma das maiores produtoras de cimento, por exemplo, o saco do cimento custa atualmente R$ 19,00. Outro detalhe importante é a menos de 90km distante de São Mateus, existe uma produtora de cimento, a Nassau, portanto, como afirmado pelos procurados acima, nada justifica tamanho reajuste.
Acompanhe o Blog SÃO MATEUS EM OFF também pelo Portal 180graus, pela Central de Notícias, pelo Portal Tribuna do Maranhão e pelo Facebook.

Nenhum comentário: