Moto Legal

29 de agosto de 2013

Sete dos nove mortos no desabamento do prédio em São Mateus, são do Maranhão.

G1

Sete dos nove mortos no desabamento de uma obra em São Mateus, na Zona Leste de São Paulo, eram do Maranhão, um apenas do Estado do Tocantins, foi o que informou a Secretaria de Segurança Pública nesta quarta-feira (28). O acidente aconteceu na manhã de terça-feira (27) e deixou também 26 feridos. Apenas uma pessoa está sendo procurada pelo Corpo de Bombeiros: Antônio Welington Teixeira Silva.

Confira a lista dos mortos:
Claudemir Viana de Freitas, de 20 anos (naturalidade ainda não revelada)
Marcelo de Sousa Rodrigues, 22 anos, natural de Barra do Corda (MA)
Ocirlan Costa da Silva, 19 anos, Mirador (MA)
Antônio Carlos Carneiro Muniz, 36 anos, Grajaú (MA)
Raimundo Barboza de Souza, 38 anos, Imperatriz (MA)
Leidiano Teixeira Barbosa, 27 anos, Barra do Corda (MA)
Felipe Pereira dos Santos, 20 anos, Imperatriz (MA)
José Ribamar Soares do Nascimento, 20 anos, Caxias (MA)
Raimundo Oliveira da Silva, 29 anos, Itaguatins (TO)
Os corpos deveriam ter sido transportados nesta madrugada de São Paulo, mas um problema no avião impediu o translado. Os corpos serão transportados ainda nesta manhã de quinta-feira para o Maranhão.
Três irmãos e dois sobrinhos de uma família do Maranhão viram o sonho de fazer a vida na capital paulista virar tragédia. Por R$ 750 para cada 15 dias de trabalho, enfrentaram três dias de viagem de ônibus. Não tinham recebido o primeiro salário quando o imóvel onde trabalhavam, na Zona Leste de São Paulo, desabou.
Com sobrinho soterrado e irmãos na UTI, sobrevivente diz ter visto a morte
“Eu vi a morte na minha frente”, conta Gilson Teixeira Silva, de 30 anos. Nesta quarta-feira (28), o sobrevivente passou o dia esperando notícia de dois irmãos que estão em estado grave na UTI e de um sobrinho, que estava desaparecido sob os escombros até o fim desta tarde. Segundo o advogado Leonardo Veloso, que defende a Salvatta Engenharia (empresa contratada para avaliar as condições da obra), os corpos serão levados até Imperatriz (MA). A empresa vai pagar o traslado dos corpos e passagem aérea para um ou dois parentes que quiserem ir ao enterro. “A maioria dos funcionários era radicada em Imperatriz.” A empresa é responsável por levar os corpos para outras cidades, caso seja necessário.Ainda segundo o defensor, todos os funcionários estavam devidamente registrados e tinham seguro de vida pago pela empresa. Ele acrescentou que “o que tiver que ser feito vai ser feito e da melhor maneira possível”.

Acompanhe o Blog SÃO MATEUS EM OFF também pelo Portal 180graus, pela Central de Nocíticas, pelo Portal Tribuna do Maranhão e pelo Facebook.

Nenhum comentário: