Obras Mais Asfalto

8 de outubro de 2011

Projeto Salangô: Herança maldita de Roseana e Lobão em São Mateus-MA


O Projeto de irrigação Salangô, um dos maiores desastre do governo de Roseana Sarney.

Em décadas passadas se ouviu falar sobre o "O conto do Convento das Mercês" agora quero fazer memória ao povo de São Mateus e do Maranhão sobre um dos maiores desastres já fez em nosso estado, mas precisamente na zona rural de nossa cidade às margens do Rio Mearim, o Projeto de Irrigação Salangô.


Vejam só o resumo da novela:

CAPÍTULO INÉDITO

O TCU investiga obra de irrigação por desperdício de dinheiro público.
Uma terra encharcada de 5.016 hectares, em que já foram mergulhados R$ 68,459 bilhões, tornou-se a estrela entre as oito obras investigadas no Maranhão pelo Tribunal de Contas da União. O Projeto de Irrigação Salangô, iniciado em 1992 para assentar 845 famílias de agricultores aqui em São Mateus do Maranhão, tem um problema singelo: irrigou uma área alagada, onde chovem 2 mil milímetros anuais. Depois de quase vinte anos, Salangô produz apenas a maldita dívida deixada para mais de 100 famílias que caíram no conto de que possantes bombas regulariam por macro aspersão e inundação lagos e rios da região, garantindo três safras de arroz por ano e frutas à vontade. Hoje, o pouco de arroz que vinga em Salangô precisa ser colhido de canoa, ou quando não, é simplesmente perdida.
Tem sido difícil achar paz para Salangô. "Se fosse comigo, o projeto não teria sido iniciado, tanto que ameacei devolvê-lo ao governo federal", diz Roseana Sarney (autora da novela). A governadora acha que, esquecendo a fruticultura e ficando só com o arroz, ainda há salvação. Os agricultores não acreditam mais. "Antes não tínhamos nada, agora temos dívidas", resume um dos líderes da comunidade de Água Preta, Francisco Souza. Quando as obras começaram no governo de Édson Lobão, estavam orçadas em R$ 25,9 bilhões.
Com Roseana foram recebendo correções, até chegar ao rombo atual. A Coesa Engenharia, da empreiteira OAS, tocou o projeto. A oposição na Assembléia quer uma CPI, lembrando que a Coesa foi a principal doadora (R$ 300 milhões) para a primeira campanha de Roseana. Por enquanto só conseguiu seis assinaturas, a mesma marca de qualquer pedido de CPI já proposto na Casa. Os outros 36 deputados são aliados incondicionais da governadora.

Nenhum comentário: