Obras Mais Asfalto

11 de março de 2010

O governo Roseana ‘abandonou’ o Maranhão

O deputado Valdinar Barros (PT) afirmou, na sessão desta quarta-feira (10), que “o Maranhão está entregue ao léu e ao caos”. Na avaliação do parlamentar petista, o Maranhão “está em estado de calamidade, em estado de abandono, porque o governo não tem competência”.
De acordo com o deputado, o primeiro problema enfrentado pelo Estado diz respeito à falta de Segurança e que o secretário da área, Raimundo Cutrim, “não tem competência e a população está entregue sem nenhuma proteção”.
Valdinar Barros destacou o assunto veiculado nos jornais, que anunciam: “Até a polícia pede mais segurança” (manchete de “O Imparcial”) e “Policiais civis decidem paralisar por 24 horas” (“Jornal Pequeno”).
Para Valdinar, “é gritante o clamor da população por segurança, até a própria polícia está pedindo mais segurança”, mas o titular da pasta “fica fazendo festinha, entregando ambulância, sem cuidar da segurança pública”.
O deputado petista voltou a tratar Cutrim de “o secretário de Insegurança”, que andaria também “cassando com a lamparina, com a vela acesa onde tem um pequeno litígio para ele mandar despejar”.
Valdinar Barros relatou que o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Barra do Corda lhe enviou documento dando conta que 109 famílias, que há 11 anos moram e trabalham numa área do município, foram despejadas na semana passada. As famílias “estão jogadas ao relento”.
O parlamentar afirmou o caso “um negócio absurdo”, porque o Estado estaria, através da Secretaria de Segurança, realizando despejos. “Para pegar os bandidos assaltando banco lá de Santa Luzia do Paruá, ele não tem competência, foi obrigado a Polícia Federal agir”, disse, criticando diretamente Cutrim.


Com informações do Portal da Assembléia Legislativa

Um comentário:

Policarpo disse...

Não acho que o governo está descuidado da PM. Quantas viaturas foram entregues e estão em funcionamento? O governo forneceu material, treinamento...o assalto a banco, a PF estava na região próxima e tomou conta. Não foi uma "falta" da PM.