Obras Mais Asfalto

17 de outubro de 2008

Ministério Público pede cassação do prefeito reeleito de Turilândia

Foram constatados atos de coação de servidores municipais e distribuição irregular de combustível.
O
promotor eleitoral da 83ª zona, Emmanuel José Peres Netto Guterres Soares, ajuizou representação eleitoral pedindo a cassação do mandato do prefeito Domingos Sávio Fonseca Silva, o "Domingos Curió", reeleito no último dia 5 de outubro. Ele é acusado de abuso de poder político e econômico, no município de Turilândia, a 384 km da capital maranhense.
Durante a campanha eleitoral chegaram ao conhecimento do Ministério Público do Maranhão relatos sobre a má conduta do então candidato à reeleição no município de Turilândia. A maioria relacionada a servidores municipais que, por apoiarem candidatos da oposição, perderam seus cargos e gratificações. Foram enumerados na ação quatro professores e um vigia, estes ameaçados de terem vencimentos cortados; dois servidores perderam seus cargos e gratificações, uma professora teve o salário reduzido e uma secretária foi exonerada.
Em uma reunião, no dia 9 de setembro, no Povoado Vila da Paz, na
casa de um candidato a vereador conhecido como "Pelego", o prefeito teria dito aos presentes que "no dia do pagamento, aqueles que não tivessem o dinheiro na conta já estariam afastados".
Outra denúncia constatada durante as investigações do
promotor, foi a distribuição de combustível, às vésperas do pleito. Por volta das 16h30, do dia 30 do mês passado, o prefeito "Domingos Curió" teria distribuído combustível sem nenhum controle para motociclistas e motoristas. Em seguida, a coligação "Todos por Turilândia de novo", que reúne 10 partidos políticos do município, apresentou comprovante no valor de R$ 3.192, correspondendo ao pagamento de 500 litros de gasolina e 800 litros de diesel.
A promotoria apurou que as "promessas de benesses e ameaças de retaliações produzidas contra vários servidores, na tentativa de cooptá-los, e a distribuição indiscriminada de combustível às vésperas da eleição, (...) configuram, induvidosamente, ações de captação ilegal de voto".
O Ministério Público requereu ao juiz eleitoral da 83ª zona a cassação do prefeito reeleito de Turilândia, "Domingos Curió", além do cancelamento dos atos de transferência e exoneração dos servidores coagidos e do pagamento dos salários atrasados.

Fonte: http://www.jornalpequeno.com.br/2008/10/17/Pagina89548.htm

Nenhum comentário: